Dia da Comerciária e do Comerciário

Por Lucilene Binsfeld (Tudi)*

Hoje comemoramos o Dia dos Trabalhadores no Comércio. Apesar de ser uma das categorias mais antigas,  pois o comércio já existia desde a época do escambo sem que houvesse o dinheiro como forma de pagamento, a troca de mercadorias caracterizava uma forma de comércio entre pessoas e povos. No Brasil, essa profissão só foi regulamentada após muita luta, em 2013, por meio da Lei 12.790. 

Muitas empresas não valorizam esses profissionais, somente se detém na obtenção dos lucros alcançados com o suor e dedicação de cada uma e cada um que compõem seu quadro de funcionários. Algumas, inclusive,  denominam seus trabalhadores como  “associados” e ou “colaboradores”, mas sem que a essência da palavra seja levada em conta. Mas afinal, essa denominação reflete nossa realidade?  

Exercer a profissão de comerciária e comerciário é sem dúvida enfrentar desafios todos os dias. Estar com um sorriso no rosto ao atender clientes e efetuar a venda, é uma característica dessas trabalhadoras e trabalhadores. Mas nem sempre é possível, o sorriso se esvai no momento em que, ao sair para o trabalho, não temos creches públicas e de qualidade para deixar nossos filhos e filhas, e ficamos com o coração apertado por deixar nossos pequenos. O sorriso vai embora quando nossa jornada não é respeitada e fazemos muito mais do que 44 horas semanais, quando no período de Natal nos propõem jornadas extenuantes, quando o descanso e convívio familiar e social do nosso domingo é trocado por um dia da semana, e deixamos nossa família para atender outras famílias.

Além de todos esses desafios, ainda enfrentamos problemas com saúde e segurança no local de trabalho, quedas de escadas ao pegar mercadorias em prateleiras altas, calor nos depósitos, frio nas câmaras que armazenam produtos perecíveis, risco de morte com assaltos, pressão por metas, e ainda se não bastasse tudo isso,  presenciamos a impaciência e irritação dos clientes que aguardam para serem atendidos.

Nesta data, não temos muito a comemorar, mas afirmamos que somos importantes no dia a dia das pessoas e merecemos o reconhecimento e a valorização,  tanto da parte das empresas quanto dos clientes. Então, nem associados e nem colaboradores, somos trabalhadoras e trabalhadores que lutam por nenhum direito a menos.

 

Lucilene Binsfeld, Comerciária e Secretária Geral do Instituto Observatório Social (IOS)

Data e Hora: 
30/10/2017 17:15 2017
Tipo de publicação: