Congresso no Paraguai debate reforma agrária e pede a renúncia de Cartes

Da direita para esquerda, Siderlei de Oliveira e militantes do movimento de solidariedade aos presos de Curuguaty

Cerca de 1.500 delegados de várias regiões do Paraguai participaram nesta semana do Congresso Democrático do Povo no território de Marina Kue que teve como lema “Soberania, Terra e Liberdade”. O presidente do Instituto Observatório Social (IOS) e da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Alimentação (Contac/CUT), Siderlei de Oliveira, acompanhou o evento. “Reafirmamos nossa luta comum contra os desgovernos de Temer e Horacio Cartes, pois tanto no Brasil quanto no Paraguai a agenda adotada é a de entregar riquezas dos países aos estrangeiros”, disse.

O encontro aconteceu próximo à Curuguaty, região onde em 2012 um confronto deixou seis policiais e 11 camponeses mortos durante uma reintegração de posse de terra. “Vale lembrar que, o sangrento acontecimento contou com 324 policiais fortemente armados de um lado e menos de 60 camponeses desarmados do outro, metade deles mulheres e crianças. Isso levou ao impeachment do presidente Fernando Lugo uma semana depois”, ressaltou Oliveira. Leia outra matéria sobre o assunto no site.

O congresso reuniu trabalhadores do campo, da cidade, estudantes, indígenas e intelectuais que discutiram temas como a migração em massa forçada pela extrema concentração de terra e de renda, além do desmantelamento da rede pública de ensino e a contaminação do meio ambiente pelos agrotóxicos.

Durante o encontro, os participantes destacaram a importância do papel do Estado na implementação de políticas de reativação da produção e de reforma agrária para o desenvolvimento do país, com geração de emprego, renda e direitos assegurados aos trabalhadores. Os militantes também pediram a renúncia do presidente Horacio Cartes.

Eleito em 2013 pelo conservador Partido Colorado, Cartes, que também é empresário e um dos homens mais ricos do país, tem enfrentado a resistência popular desde que assumiu o poder. O presidente também é acusado de envolvimento com o narcotráfico e fraudes bancárias. Sua eleição ocorreu logo após um golpe contra Lugo.  

Com informações do Portal CUT Nacional

Crédito da Foto: 
Portal CUT Nacional
Data e hora: 
14/10/2016 13:00 2016
Data: 
14/10/2016 2016